terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Presságios, sorrisos e alegrias

Li tanta coisa boa hoje... tanta coisa. Teoria, poesia, literatura... e o trabalho voltou com tudo, com seus cronogramas, seus planos de cursos, primeiros encontros e refinamentos. E, no meio de toda correria desse dia, assim, sem planejamento, é a poesia que me rouba... e me  transporta pra um universo paralelo (sem qualquer tic-tac de relógios), que nem sei se é verdadeiro, todo o resto é verdadeiro. Fazendo parte da realidade ou não.

Talvez ninguém além de mim entenda o que eu quero dizer com essas coisas que escrevo agora. Talvez nem eu entenda. Mas é que ás vezes o sentido não vem em texto, nem com cara de texto. Vem com sorrisos incontidos e gargalhadas que extravasam sem que a gente mesmo perceba. É que a alegria, quando nasce assim, do arrepio, para que tudo suplanta...

E eu nem sei aonde quero chegar. Sei que posso ir sozinha, mas talvez eu não queira. E sinto, com todo o meu corpo, que Deus tem um plano pra mim. De flores, não de concreto. E poesia...


Encantada que só. Vida que se desembestou a florir. Caminho tentando conter um sorriso que me escapole fácil pelos cantos da boca. Alegria que transborda. Vez em quando vejo alguém olhar pra mim com cara de ponto de interrogação, tudo convergindo para o centro da testa: - em doideceste?! Só pode!
Ai é que meu sorriso escapole inteiro, cheio de dentes. E olho nos olhos daquela estranha que passa. Ela também sorri. E sei que ela entende... Sabe quando você faz uma bandidagem, uma serelepice gostosa que só, e fica com cara de bolacha traquinas? Ah, pois!
Chega essa menina qualquer afirma. E depois pergunta: - Aprontou. O que, hein?! E você explode num riso por demais gostoso e denunciador. Porque mesmo que você coloque a mão direita sobre a Bíblia Sagrada e faça o juramento, seu sorriso já te condenou. Ahã!
Adianta mais nada. E você continua sorrindo confirmando o veredicto. Sentimento, energia é coisa forte. Conter adianta não. E nem se consegue. Extravasa. Durmo inebriada com tamanha beleza e perfume. Coração em prece. Faíscas nos olhos. Agradecida, sabe. Há quem pense que é síndrome de Poliana ou de Alice no País das Maravilhas. Tisc, tisc. É que a vida te dá exatamente o que você espera... hoje, já desenhei na minha mão o meu destino. Ah, lindo que só. Precisa ver!
Extraído do blog serendipities

1 comentários:

Ricardo disse...

Tenho aprendido tanto com vc, Taty...